counter create hit 'Tis the Season - Download Free eBook
Ads Banner
Hot Best Seller

'Tis the Season

Availability: Ready to download

Call me childish, but I love all the nonsense – the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™.'It would be a dream come true to be able to celebrate Christmas properly: to wake up to a Stocking™, visit Santa™ and open Presents™ around the Christmas Tree™. But this is a luxury reserved for those with sha Call me childish, but I love all the nonsense – the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™.'It would be a dream come true to be able to celebrate Christmas properly: to wake up to a Stocking™, visit Santa™ and open Presents™ around the Christmas Tree™. But this is a luxury reserved for those with shares in YuleCo – controllers of this joyful season – who don’t agree that it’s a holiday for one and all.In this short story, China Miéville’s astonishing imagination allows us a glimpse of how a dystopian Christmas might be.


Compare
Ads Banner

Call me childish, but I love all the nonsense – the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™.'It would be a dream come true to be able to celebrate Christmas properly: to wake up to a Stocking™, visit Santa™ and open Presents™ around the Christmas Tree™. But this is a luxury reserved for those with sha Call me childish, but I love all the nonsense – the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™.'It would be a dream come true to be able to celebrate Christmas properly: to wake up to a Stocking™, visit Santa™ and open Presents™ around the Christmas Tree™. But this is a luxury reserved for those with shares in YuleCo – controllers of this joyful season – who don’t agree that it’s a holiday for one and all.In this short story, China Miéville’s astonishing imagination allows us a glimpse of how a dystopian Christmas might be.

30 review for 'Tis the Season

  1. 5 out of 5

    mark monday

    ____mas in the future is a corporate affair. Don't use the wrong trademarked words or you may get a merry truncheon to the head! Although I agree with the story's critique on the corporatization of holidays, and of course endorse its anti-authoritarian stance, it was all much too obvious and on-the-nose for me. And also quite tiring. Alas. Read this short story for free! Right here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... I did rather like the idea of cherry tomatoes on a cactus, for that non- ____mas in the future is a corporate affair. Don't use the wrong trademarked words or you may get a merry truncheon to the head! Although I agree with the story's critique on the corporatization of holidays, and of course endorse its anti-authoritarian stance, it was all much too obvious and on-the-nose for me. And also quite tiring. Alas. Read this short story for free! Right here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... I did rather like the idea of cherry tomatoes on a cactus, for that non-trademarked Christmas tree type feel. May have to give that one a try.

  2. 4 out of 5

    karen

    WELCOME TO DECEMBER PROJECT! boilerplate mission statement intro: for the past two years, i’ve set december’s project aside to do my own version of a short story advent calendar. it’s not a true advent calendar since i choose all the stories myself, but what it lacks in the ‘element of surprise’ department it more than makes up for in hassle, as i try to cram even MORE reading into a life already overcrammed with impossible personal goals (live up to your potential! find meaningful work! learn to WELCOME TO DECEMBER PROJECT! boilerplate mission statement intro: for the past two years, i’ve set december’s project aside to do my own version of a short story advent calendar. it’s not a true advent calendar since i choose all the stories myself, but what it lacks in the ‘element of surprise’ department it more than makes up for in hassle, as i try to cram even MORE reading into a life already overcrammed with impossible personal goals (live up to your potential! find meaningful work! learn to knit!) merry merry wheee! since i am already well behind in my *regular* reviewing, when it comes to these stories, whatever i poop out as far as reflections or impressions are going to be superficial and perfunctory at best. please do not weep for the great big hole my absented, much-vaunted critical insights are gonna leave in these daily review-spaces (and your hearts); i’ll try to drop shiny insights elsewhere in other reviews, and here, i will at least drop links to where you can read the stories yourselves for free, which - let’s be honest - is gonna serve you better anyway. HAPPY READING, BOOKNERDS! links to all stories read in previous years' calendars can be found at the end of these reviews, in case you are a person who likes to read stories for free: 2016: https://www.goodreads.com/review/show... 2017: https://www.goodreads.com/review/show... scroll down for links to this year’s stories which i will update as we go, and if you have any suggestions, send 'em my way! the only rules are: it must be available free online (links greatly appreciated), and it must be here on gr as its own thing so i can review it. thank you in advance! DECEMBER 22 No, like most people, I was going to have a little MidWinter Event, just Annie and me. So long as I was careful to steer clear of licenced products we'd be fine. Ivy decorations you can still get away with; holly's a no-no but I'd hoarded a load of cherry tomatoes, which I was planning to perch on cactuses. I wouldn't risk tinsel but had a couple of brightly-coloured belts I was going to drape over my aspidistra. You know the sort of thing. The inspectors aren't too bad: they'll sometimes turn a blind eye to a bauble or two (which is just as well, because the fines for unlicensed Christmas™ celebrations are astronomical). this is a not-very-subtle satirical story about the commodification of christmas and the perils of privatization. lack-of-subtlety has never been a dealbreaker for me, so i enjoyed it just fine; it got some giggles out of me: It felt so forlorn, putting my newspaper-wrapped presents next to the aspidistra, but ever since YuleCo bought the rights to coloured paper and under-tree storage, the inspectors had clamped down on Aggravated Subarborial Giftery. but it's also not likely to stick with me for very long. fans of miéville are extremely devoted and completist, so they will probably love it like the moon. i'm not not a fan, i just haven't made my move into those miéville waters yet. this story alone wouldn't convince me that i needed to read more, but everyone knows that you can't judge a thing by its christmas episode, so i'm reserving judgment. someday i will be part of that world, but for now, i have to plow through twenty more books before the end of the year, so i don't have time to spare. HIT ME WITH SOME BOARD BOOKS, STAT! read it for yourself here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... ******************************************* DECEMBER 1 DECEMBER 2 DECEMBER 3 DECEMBER 4 DECEMBER 5 DECEMBER 6 DECEMBER 7 DECEMBER 8 DECEMBER 9 DECEMBER 10 DECEMBER 11 DECEMBER 12 DECEMBER 13 DECEMBER 14 DECEMBER 15 DECEMBER 16 DECEMBER 17 DECEMBER 18 DECEMBER 19 DECEMBER 20 DECEMBER 21 DECEMBER 23 DECEMBER 24 DECEMBER 25 DECEMBER 26 DECEMBER 27 DECEMBER 28 DECEMBER 29 DECEMBER 30 DECEMBER 31 come to my blog!

  3. 5 out of 5

    Nataliya

    “Slogans bobbed overhead like flotsam. FOR PEACE, SOCIALISM AND CHRISTMAS; HANDS OFF OUR HOLIDAY SEASON!; PRIVATISE THIS. One placard was everywhere. It was very simple and sparse: the letters TM in a red circle, with a line through them.” Well, so I'm that curmudgeon that tends to see the commercialism in the major holidays instead of just enjoying them. I just get too cynical around holidays. When Grinch's heart grows three sizes, I'm there with Sheldon Cooper of 'The Big Bang Theory' worry “Slogans bobbed overhead like flotsam. FOR PEACE, SOCIALISM AND CHRISTMAS; HANDS OFF OUR HOLIDAY SEASON!; PRIVATISE THIS. One placard was everywhere. It was very simple and sparse: the letters TM in a red circle, with a line through them.” Well, so I'm that curmudgeon that tends to see the commercialism in the major holidays instead of just enjoying them. I just get too cynical around holidays. When Grinch's heart grows three sizes, I'm there with Sheldon Cooper of 'The Big Bang Theory' worrying about the dangers of hypertrophic cardiomyopathy. Seeing Christmas decorations in the stores in the middle of autumn still makes me want to rant. I mean - come ON! So yeah, and I just find out that China 'His Majesty' Mieville has a short story about commercialized Christmas? It's my non-commercialized late Christmas gift, here on his website: http://chinamieville.net/post/1549054... "We were surrounded by radical Christmasarians." Dark satire on the overcommercialized holiday (Christmas™) in the best socialist traditions, complete with the protest march featuring people from all walks of life? (" 'Blessed be,' yelled a radical pagan in my ear, and gave me a leaflet demanding that once we had won back the season we rename it Solsticemas.") In the world where even the crown jewel of all disgustingness (ahem, eggnogg - barf!) cannot be used without paying a fee to the company that owes the rights to it? "I wouldn’t have been able to use much of the traditional stuff, and if you can’t have all of it, why have any? (XmasTym had the rights to Egg Nog. But Egg Nog’s disgusting.) Those other firms keep trying to create their own alternatives to proprietary classics like reindeer and snowmen, but they never take off. I’ll never forget Annie’s underwhelmed response to the JingleMas Holiday Gecko." Again, this proves that I will read anything His China-ness decides to write. Even if it means supporting Christmas. Of course, I can chose to look it it as simply not supporting privatising and commercialism. Yeah, that makes it more bearable. And appropriate to read in April. "Right in front of them was a group of badly dressed people selling copies of a left wing newspaper and carrying placards with a photograph of Marx. They'd superimposed a Santa hat on him. 'I'm dreaming of a red Christmas,' they sang, badly." ———— Read it free and legally here, courtesy of CM himself: http://chinamieville.net/post/1549054...

  4. 4 out of 5

    Gabriela Ventura

    Fica aí a dica de presente para o amigo oculto com a parentada reaça - caso você ainda tenha recebido o convite para a ceia de natal desse ano.

  5. 4 out of 5

    Jim

    I liked the idea behind it. We have entered into a time when a patent can be applied to anything for the right price. I didn't find the end funny or twisty, though. I think it was supposed to be, but it fell flat. This story is free & short. You can find it here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... I liked the idea behind it. We have entered into a time when a patent can be applied to anything for the right price. I didn't find the end funny or twisty, though. I think it was supposed to be, but it fell flat. This story is free & short. You can find it here: http://socialistreview.org.uk/291/tis...

  6. 5 out of 5

    Augusto

    Eu estou EMBASBACADO em como essa história foi boa em tão poucas páginas??? Não tem o que falar muito por ser um conto pequeno, mas a ideia dele é GENIAL! O autor conseguiu subverter a ideia do que se entendia como natal e criar uma distopia política com diversas camadas que eu fiquei bobo! O natal sendo privatizado e tratado como algo proibido o criminoso?? Eu queria um ROMANCE sobre isso! Genial. Sério.

  7. 5 out of 5

    Ana

    Eu tô por fora do gênero New Weird Fiction. Acho que preciso me atentar mais, porque adorei a esquisitice do Miéville. Li em português, disponivel gratuitamente no Kindle e no original, disponivel no blog do autor. O Natal®, a arvore de natal®, o papai noel®, musicas natalinas® e todo o resto viram marcas registradas e a festa é controlada por empresas/lojas licenciadas, cujo o unico intuito é o consumo (ja é assim, nao?). Ai rola uma manifestaçao dos Christmasarians radicais e slogans esquisitos Eu tô por fora do gênero New Weird Fiction. Acho que preciso me atentar mais, porque adorei a esquisitice do Miéville. Li em português, disponivel gratuitamente no Kindle e no original, disponivel no blog do autor. O Natal®, a arvore de natal®, o papai noel®, musicas natalinas® e todo o resto viram marcas registradas e a festa é controlada por empresas/lojas licenciadas, cujo o unico intuito é o consumo (ja é assim, nao?). Ai rola uma manifestaçao dos Christmasarians radicais e slogans esquisitos: FOR PEACE, SOCIALISM AND CHRISTMAS. E as pessoas na manifestaçao? Feministas radicais vestidas de branco, usando cenouras no nariz como sNOwMEN (essa seria minha ala lol), Red&White Bloc, Muslims for Christmas, Gay Men's Radical Singing Caucus. Tô só imaginando a cena. Que piraçao! lol

  8. 4 out of 5

    MG Mason

    Social commentary on the commercialisation of Christmas does not come better than this! In fact, the political satire of commercialism, exploitation and even capitalism does not come better than this and it does it in a way that only a socialist with a dark sense of humour like Miéville can. It starts out typically of our first-person narrator discussing his and others’ enjoyment of the festive season. Hell, it got me in the spirit! But it all comes crashing down just a couple of paragraphs in wh Social commentary on the commercialisation of Christmas does not come better than this! In fact, the political satire of commercialism, exploitation and even capitalism does not come better than this and it does it in a way that only a socialist with a dark sense of humour like Miéville can. It starts out typically of our first-person narrator discussing his and others’ enjoyment of the festive season. Hell, it got me in the spirit! But it all comes crashing down just a couple of paragraphs in when he refers to not being able to hold a party because he couldn’t afford the EULA fee. Yes, this is a world where big businesses own copyright on all the symbols and everything else associated with Christmas (you need a license to use tinsel and even to drink eggnog – but nobody does that because they don’t like it). Some businesses try to invent their own Christmas traditions but they never catch on. In their support of these strange trademark and copyright laws, there are government inspectors making sure that people do not break the law by using unlicensed holly and tinsel or unlawfully store their presents under the aspidistra (because wrapping paper, christmas trees and the very act of putting presents beneath a tree are trademarked and licensed!) Our protagonist has won a competition by YuleCo to attend an official Christmas party and gets to enjoy all of those things for which they own the copyright – much to their own delight and the jealousy of their friends. However on the way to the party on the 25th, they get caught up in a protest of Christmasarians – radicals whose sole purpose is to freely and openly break these trademark laws. But the protest becomes a riot and all manner of protest groups get involved – Christians alongside feminists alongside reformed Marxists alongside radical pagans… all wanting a piece of Christmas in the way that they want. A parody, yes. Silly, yes. But with a serious message about not just commercialism but also those having an exclusive claim on the True Meaning of Christmas(TM) and trying to force others to mark it the way they want us to mark it. Just hilarious! Read it as an alternative to the usual round of Christmas literature and you shan’t be disappointed. It’ll give you a laugh and if you’ve become bored or fed up with the enforced jollity, maybe it will put you in the right frame of mind to start enjoying it again. See more book reviews at my blog

  9. 5 out of 5

    Jana Bianchi

    China sendo China! Genial porque começa parecendo engraçado e absurdo, aí no meio do caminho você vê como é real e meio trágico... E termina engraçado de novo.

  10. 4 out of 5

    Sandrielle Sousa

    A ideia é interessante mas o conto em si é bem chato :~

  11. 5 out of 5

    Nuno Ferreira

    A linguagem prática, a escrita fluída e a sátira agregada são as principais virtudes deste conto. Gosto da forma como China Miéville conta a história de um pai em estado de nervos num futuro não tão estranho quanto isso. O controle do consumismo e a privatização compulsiva são duas realidades que não se encontram assim tão longínquas dos dias de hoje, assim como um certo separatismo entre classes sociais, aqui evidenciado pelo dito controle implementado no acesso às festividades. O uso do símbolo A linguagem prática, a escrita fluída e a sátira agregada são as principais virtudes deste conto. Gosto da forma como China Miéville conta a história de um pai em estado de nervos num futuro não tão estranho quanto isso. O controle do consumismo e a privatização compulsiva são duas realidades que não se encontram assim tão longínquas dos dias de hoje, assim como um certo separatismo entre classes sociais, aqui evidenciado pelo dito controle implementado no acesso às festividades. O uso do símbolo de marca registada seguido aos termos associados ao Natal tornou-se cómico no decorrer da leitura, embora numa história mais longa pudesse cansar. Fica aquela sensação quando se pensa: "sorrir ainda é de graça". Bem, comemorar festas tradicionais não é tão de graça como isso, mas não é preciso pagar imposto para lhes ter acesso, como acontece neste futuro pintado por Miéville. A reviravolta final foi engraçada mas provocou-me mais confusão do que choque ou surpresa, assim como o papel de Annie nesse desfecho. Ainda assim, foi um final bem explícito e não empobreceu o conto. A história é alusiva ao Natal e deixou uma moral, e embora não me tenha despertado nenhum sentimento em especial, gostei bastante da escrita e fiquei com vontade de conhecer mais deste autor. Recomendo nesta época dada ao consumismo, um convite a valorizar o "pouco" que julgamos ter. www.noticiasdezallar.wordpress.com

  12. 4 out of 5

    Carlos Río

    Sin ser un gran cuento, "Noche de paz" es divertido y muy simpático. Lo mejor que tiene es el entorno que se crea Miéville, porque la historia en sí no está muy allá. Pero tiene mucha gracia ver cómo todo lo que damos por sentado de la Navidad es una marca registrada ("Navidad", "Acebo", o "Villancico" llevan al lado el ™), y si no pagas, no puedes utilizarlos, y la gente se tiene que conformar con sucedáneos. http://www.elrincondecarlosdelrio.com... Sin ser un gran cuento, "Noche de paz" es divertido y muy simpático. Lo mejor que tiene es el entorno que se crea Miéville, porque la historia en sí no está muy allá. Pero tiene mucha gracia ver cómo todo lo que damos por sentado de la Navidad es una marca registrada ("Navidad", "Acebo", o "Villancico" llevan al lado el ™), y si no pagas, no puedes utilizarlos, y la gente se tiene que conformar con sucedáneos. http://www.elrincondecarlosdelrio.com...

  13. 5 out of 5

    Holly (The Grimdragon)

    Call me childish, but I love all the nonsense - the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™.

  14. 5 out of 5

    Filipa

    This short-story only made me even more curious about China Miéville's books.

  15. 4 out of 5

    Lucas

    Adorei "Um conto de Natal" do Miéville. Foi meu primeiro contato com este autor de quem já ouvi grandes comentários e que é alguém que recebe grande investimento da maravilhosa Boitempo. Como muito raramente surfo a onda da literatura contemporânea, não sabia sequer o que esperar. O fato é que o conto me surpreendeu! A premissa sci-fi é saborosa: um futuro em que as grandes corporações se apropriaram dos símbolos natalinos (e quem sabe o que mais), de forma que o cidadão comum precisa pagar para Adorei "Um conto de Natal" do Miéville. Foi meu primeiro contato com este autor de quem já ouvi grandes comentários e que é alguém que recebe grande investimento da maravilhosa Boitempo. Como muito raramente surfo a onda da literatura contemporânea, não sabia sequer o que esperar. O fato é que o conto me surpreendeu! A premissa sci-fi é saborosa: um futuro em que as grandes corporações se apropriaram dos símbolos natalinos (e quem sabe o que mais), de forma que o cidadão comum precisa pagar para utilizar uma árvore de natal, uma imagem do Papai Noel ou uma doce melodia de fim de ano. A bem da verdade, é uma mera extrapolação do dado bem real de que cada vez mais na nossa sociedade é preciso pagar para ser feliz! E se não for preciso, as forças hegemônicas tratarão de investir para que no futuro próximo assim seja. O texto de Miéville sugere uma denúncia contra o mecanismo social de transformar tudo em mercadoria, brincando com as fronteiras entre sentimentos íntimos e subjetivos versus o direito a propriedade imaterial. Para minha surpresa, os elementos mais absurdos do conto parecem de alguma forma os mais realistas também. A tentativa do Capital de comandar os sentimentos humanos me remete aos dizeres bastante reais na tela dos caixas de fast-food: "Sorria sempre". Ora... sinal de uma metáfora bem construída. Adiciona a obra também o fato do narrador ser um pacato cidadão, um 'coxinha' na gíria atual, que se vê não intencionalmente participando de uma manifestação contra a apropriação dos signos natalinos. O que é maravilhoso, pois permite que Miéville retrate os manifestantes "revolucionários" como um conjunto de indivíduos ansiosos para retornar as velhas e simples tradições insanamente consumistas do natal de antigamente. Ou seja, a revolução se perdeu do horizonte. A distopia chegou. Os alicerces da opressão não são mais o alvo, mas apenas a luta constante para retornar ao degrau anterior de exploração! "Ah, que bom o tempo em que eu trabalhava construindo 100 bonecos por dia para na noite de natal comprar 1 boneco para meu filho! Lutemos por isso!" Se a crítica ao capitalismo é a premissa inicial da história, então o deboche ou mais precisamente a crítica mordaz da esquerda atual - suas sandices, suas tacanhices, seus problemas de comunicação, organização etc etc etc, assim como seus aleatórios arroubos de genialidade - formam o recheio principal da história. Talvez Miéville não receba mais pedradas pelo conto porque o personagem principal, o protagonista inadvertido, alienado e medíocre seja um conversador. Um "Arthur" do Guia dos Mochileiro das Galáxias. Um indivíduo que a esquerda, em geral, espezinha e acusa de ignorância e insensibilidade. Mas convenhamos.... Leia o conto com calma e reflita: de todos os ângulos a ação repressiva é assustadora, mas é só nas lentes desse sujeito tacanho que as ações populares e revolucionárias parecem caóticas, confusas ou ridículas? Ho-ho-ho e boa leitura! O livro está disponível para download gratuito aqui: https://blogdaboitempo.com.br/2018/12... (less)

  16. 4 out of 5

    Nadine Jones

    Story 23 in my 24 Days of Shorts Call me childish, but I love all the nonsense - the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™. If the personal is political, then what is Christmas? This had none of the subtlety and nuance that I've come to expect from Mieville. read it for yourself here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... My 24 Days of Shorts 1. Yiwu by Lavie Tidhar 2. The Night Cyclist by Stephen Graham Jones 3. AI and the Story 23 in my 24 Days of Shorts Call me childish, but I love all the nonsense - the snow, the trees, the tinsel, the turkey. I love presents. I love carols and cheesy songs. I just love Christmas™. If the personal is political, then what is Christmas? This had none of the subtlety and nuance that I've come to expect from Mieville. read it for yourself here: http://socialistreview.org.uk/291/tis... My 24 Days of Shorts 1. Yiwu by Lavie Tidhar 2. The Night Cyclist by Stephen Graham Jones 3. AI and the Trolley Problem by Pat Cadigan 4. Sleeper by Jo Walton 5. She Commands Me and I Obey by Ann Leckie 6. Your Orisons May Be Recorded by Laurie Penny 7. This World is Full of Monsters by Jeff VanderMeer 8. The Lady Astronaut of Mars by Mary Robinette Kowal 9. Triquetra by Kirstyn McDermott 10. A Human Stain by Kelly Robson 11. Our King and His Court by Rich Larson 12. Errata by Jeff VanderMeer 13. Night's Slow Poison by Ann Leckie 14. A Kiss With Teeth by Max Gladstone 15. God Product by Alyssa Wong 16. Our Faces, Radiant Sisters, Our Faces Full of Light! by Kameron Hurley 17. The Perilous Life of Jade Yeo by Zen Cho 18. The Devil in America by Kai Ashante Wilson 19. Blue is a Darkness Weakened by Light by Sarah McCarry 20. The Too-Clever Fox by Leigh Bardugo - not available 20. The Future of Work: Compulsory by Martha Wells 21. Daughter of Necessity by Marie Brennan 22. Red as Blood and White as Bone by Theodora Goss 23. 'Tis the Season by China Miéville 24. Julian: A Christmas Story by Robert Charles Wilson

  17. 5 out of 5

    Dario Andrade

    China Miéville, nesse breve Conto de Natal, usa de recurso algo comum na ficção científica: pegou um aspecto da realidade e o estica, o exagera, o leva às raias do absurdo e do paroxismo. Aqui, o Natal, ou melhor, tudo que gira em torno da festa, se tornou propriedade privada, pertencendo a alguma corporação que controla tudo, desde a árvore até as canções e tudo o mais que hoje estaria em domínio público. O resultado é uma sociedade um tanto quanto parecida com a nossa em alguns aspectos, justa China Miéville, nesse breve Conto de Natal, usa de recurso algo comum na ficção científica: pegou um aspecto da realidade e o estica, o exagera, o leva às raias do absurdo e do paroxismo. Aqui, o Natal, ou melhor, tudo que gira em torno da festa, se tornou propriedade privada, pertencendo a alguma corporação que controla tudo, desde a árvore até as canções e tudo o mais que hoje estaria em domínio público. O resultado é uma sociedade um tanto quanto parecida com a nossa em alguns aspectos, justamente porque no final das contas parece que se pode aceitar tudo, todos os disparates com absoluta normalidade. O final, porém, parece algo precipitado. Ele tenta um final engraçadinho, mas poderia ter investido em algo mais elaborado.

  18. 5 out of 5

    Milena

    A ideia do conto é boa, mas achei a narrativa um pouco apressada, curta demais.

  19. 4 out of 5

    Maggie K

    Christmas has been privatized, and our protagonist tries to salvage some family tradition out of the season, but his daughter has her own ideas.

  20. 4 out of 5

    Tayane Cristie

    *3.5*

  21. 5 out of 5

    Thiago Lee

    O China é genial, e esse continho curto mostra as características mais bizarras de sua ficção (o que é ótimo!)

  22. 4 out of 5

    Mariana Silveira

    Esse “Um conto de Natal” foi meu primeiro contato com a obra de China Miéville, embora já tivesse incluído livros dele na minha lista “to-read”. E decidi lê-lo exatamente numa manhã de Natal, embora não tenha muito apreço pela data (o que certamente influencia minha avaliação sobre qualquer história relacionado ao Natal). Talvez justamente por isso tenha escolhido ler uma história de natal sob um viés de esquerda. O conto se passa num futuro indeterminado em que todos os símbolos e eventos das fe Esse “Um conto de Natal” foi meu primeiro contato com a obra de China Miéville, embora já tivesse incluído livros dele na minha lista “to-read”. E decidi lê-lo exatamente numa manhã de Natal, embora não tenha muito apreço pela data (o que certamente influencia minha avaliação sobre qualquer história relacionado ao Natal). Talvez justamente por isso tenha escolhido ler uma história de natal sob um viés de esquerda. O conto se passa num futuro indeterminado em que todos os símbolos e eventos das festas de final de ano foram apropriados e privatizados por grandes corporações. Há que se pagar para ter uma árvore de natal®, um visgo®, cantar músicas natalinas ou simplesmente comemorar o Natal – todos os símbolos natalinos são comercializados. A caminho de uma comemoração oficial de Natal, que custou muito caro, o protagonista e sua filha se veem no meio de uma manifestação contra a privatização do Natal, composta por marxistas, feministas, red&white blocs, pagãos, entre outros. Alguns aspectos da história são muito explícitos e mostrados ao leitor muito rapidamente, mas creio que isso acontece por se tratar de um conto. Imagino que em suas outras obras o autor seja mais sutil ao expor determinadas questões. Gostei do caráter crítico à comercialização da data e o conto manteve a minha vontade de conhecer mais do autor. O livro está disponível para download gratuito aqui: https://blogdaboitempo.com.br/2018/12...

  23. 5 out of 5

    Joe

    Doesn't start well, but the second half is fantastic.

  24. 4 out of 5

    Netanella

    Socks are my go-to Christmas gifts for Dads.

  25. 5 out of 5

    Nicola

    Political Satire about the over commercialize of Christmas. Nice short. Find it free here: http://chinamieville.net/post/1549054... Political Satire about the over commercialize of Christmas. Nice short. Find it free here: http://chinamieville.net/post/1549054...

  26. 4 out of 5

    Nicola

    Short, surprisingly sweet (for China Miéville) - Miéville does Christmas, complete with the attempted overthrow of capitalism.

  27. 4 out of 5

    Rob

    A humorous little satire on the commerialisation of Christmas and the nostalgia for artificial traditions.

  28. 4 out of 5

    Débora Santana

    I guess Tis the season to start reading more Miéville!

  29. 4 out of 5

    Martin

    Very good satirical story about Christmas being "privatised" to the point where no-one can even use the word without permission!

  30. 4 out of 5

    Paulo Vinicius Figueiredo dos Santos

    Por esses dias eu estava procurando contos de natal para resenhar na semana das festividades. Separei alguns e quando apareceu este conto do China Miéville na minha lista da Amazon, baixei logo. E o conto tem tudo da estranhice típica do autor e mais um pouco. Além das duras críticas sociais que estão sempre presentes na sua narrativa. No mundo criado por Miéville na história, estamos em um futuro onde aconteceram os Atos de Natal. A maior parte dos objetos, celebrações e menções a coisas ligadas Por esses dias eu estava procurando contos de natal para resenhar na semana das festividades. Separei alguns e quando apareceu este conto do China Miéville na minha lista da Amazon, baixei logo. E o conto tem tudo da estranhice típica do autor e mais um pouco. Além das duras críticas sociais que estão sempre presentes na sua narrativa. No mundo criado por Miéville na história, estamos em um futuro onde aconteceram os Atos de Natal. A maior parte dos objetos, celebrações e menções a coisas ligadas ao natal tiveram as suas propriedades intelectuais compradas. Ninguém mais pode dar presentes sob uma árvore de natal, montar uma árvore de natal, se vestir de papai noel ou qualquer outra coisa relacionada sem pagar um imposto caríssimo aos donos dos direitos. O protagonista está triste porque ele gostaria de mostrar à sua filha a alegria que é celebrar a data. Mas, ele está com sorte: ele ganhou um sorteio e vai ter direito a comemorar o Natal como se deve dentro da empresa que detém seus direitos. No meio do caminho até a festa eles se deparam com uma manifestação feita por natalistas rebeldes. Daí em diante é uma loucura atrás da outra. A tradução do conto está muito boa mesmo, não apresentando qualquer dificuldade para o leitor neste sentido. Talvez o leitor comum sinta dificuldade mais nas várias associações e pequenas ironias que Miéville faz em suas histórias. Recomendo até que o leitor releia após terminar para pegar o maior número possível de referências e simbologias que ele emprega no conto. O melhor adjetivo que se pode usar para esse conto é: mordaz. Sabe quando um autor tira aquele sorrisinho de lado porque você entendeu a ironia? É isso. Para aqueles que estão preocupados com um conto "lacrador" ou "proselitista", esqueçam isso. É óbvio que o Miéville é um crítico da direita e do conservadorismo, mas ele faz isso não jogando verdades na cara do leitor, mas apresentando caminhos e fazendo-o pensar por si só. Ele faz até críticas aos próprios movimentos sociais. O tema mais na cara é o quanto muitas das coisas que gostamos estão sendo cerceadas por empresas e corporações. Impossível não pensar imediatamente na nossa Amazônia e como muitos de nossos recursos naturais estão sendo patenteados fora do Brasil. A piada com as festas de natal está em que existe uma vontade de forças conservadoras em controlar coisas espontâneas. A espontaneidade não pode caber dentro de um rótulo. Vou usar uma boa metáfora que o brasileiro é capaz de entender. O carnaval no Rio de Janeiro possui duas vertentes: o desfile de escolas de samba que acontece na Marquês de Sapucaí e os blocos de rua que estão espalhados por toda a cidade. O desfile de escolas de samba se tornou algo muito artificial com patrocínios, regras e todo o tipo de paramentos que fazem aquilo ser um produto propriamente dito. Claro que existe toda a alegria envolvendo a música e o espírito festivo, mas quem vai a um bloco de rua vê toda a alegria e a espontaneidade por trás da festa. Não há regras ali, apenas pessoas descarregando toda a energia negativa adquirida ao longo do ano durante cinco dias de festa. O que Miéville nos apresenta ao longo destas quase quarenta páginas é um exemplo típico de sociedade de controle, quando o povo perde o poder de controlar a si mesmo e o governo toma esta capacidade com força e intimidação. Por outro lado, vemos também a enorme diversidade de movimentos sociais presentes na narrativa. É curioso ver que os movimentos não conversam uns com os outros. Isso demonstra o quanto houve uma pulverização da capacidade de reivindicar seus direitos. Isto em detrimento de um bem maior que é, no caso, a restauração da festividade natalina. Cada um dos grupos presentes ali tem sua própria agenda e obedece a seus interesses. Por isso que não havia um front único de enfrentamento contra os poderes dirigentes. Miéville faz até uma brincadeira com um grupo que deturpou a imagem de Marx em prol de seus próprios interesses. É a demonstração máxima de o quanto os movimentos sociais precisam repensar e refletir sobre o modelo de enfrentamento que está sendo empregado. Na narrativa, este esfacelamento da capacidade de lutar por seus direitos só favoreceu àqueles no poder. Um Conto de Natal é uma leitura fascinante, com aquele brilhantismo típico da escrita do autor. Só achei que o conto teve um final um pouco apressado, e o autor poderia ter dado mais umas 4 ou 5 páginas para fechar as coisas de uma forma mais satisfatória. Mas, aquele trocadilho final foi arrebatador. É um conto divertido, inteligente e reflexivo. Só tenho a recomendar.

Add a review

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading...
We use cookies to give you the best online experience. By using our website you agree to our use of cookies in accordance with our cookie policy.